Algo Que Não Podemos Perder

Por Eguinaldo Hélio de Souza

 

Todo cristão deve crescer na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo (2 Pd 3.18). É nosso dever desenvolver nossos dons e talentos, cumprir plenamente nosso ministério, amadurecer como pessoas e como servos de Deus. Jamais devemos ficar estagnados no tempo.

Ler, estudar, ampliar nossa visão, adquirir sempre conhecimentos novos e necessários para nosso trabalho no Senhor e mesmo para nossa vida. Não há nada de errado em aumentar nosso entendimento em todas as coisas, adquirir saber teológico, e se a vontade de Deus assim o quer, ensinar. Crescer faz parte do chamado de Deus para nossa vida.

Todavia, há algo que jamais devemos perder – nossa simplicidade em Cristo. Diante de Deus seremos sempre aprendizes, sempre discípulos ávidos por aprender mais, por avançar mais, não importa o quanto já tenhamos caminhado. Independente da grandeza que alguém ache em nós, somos sempre pequenos diante Dele.

O ensinador, o mestre, o teólogo. Aquele que já leu a Bíblia dezenas de vezes e tem decorado inúmeras passagens das Escrituras, jamais pode esquecer que nossa comunhão é com o Pai e com o Filho e não pode ser medido por conquistas intelectuais. Esta fundada em nosso amor e submissão a Eles.

Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo…, escreveu o apóstolo Paulo (2 Co 1.12). Ele, que havia recebido excelentes revelações da parte de Deus, vivia neste mundo com simplicidade e sinceridade de Deus.

Também por isso ele advertiu aos irmãos em Corinto: Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da  simplicidade que há em Cristo. (2 Co 11.3). Uma devoção simples e pura a Cristo. Eis o que jamais devemos perder.

A loucura de Deus é infinitamente maior do que toda a nossa sabedoria. A fraqueza de Deus é imensamente maior do que nossa força. O mínimo de Deus vai muito além do nosso máximo. Nosso orgulho é tolice. Qualquer coisa que gere em nós um sentimento de independência em relação a Ele deve ser rejeitada. Nada é o barro sem o Oleiro, nada é o ramo sem a árvore.

Aos pés Dele um apóstolo Paulo não é maior do que a irmã de Lázaro, mestre e discípulo se confundem. Somos simplesmente crianças clamando “Abba, pai”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *