No Centro do Universo Existe uma Cruz

Por Eguinaldo Hélio de Souza

 

Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado (1 Coríntios 2.2)

Cruzes viraram enfeites. Podemos vê-las adornando orelhas e pescoços, decorando paredes e recintos e até ornando orlas e montes nas grandes e pequenas cidades. Acostumamos tanto com elas que seu sentido se perde em meio à sua quase onipresença. Seu significado real, poderoso e profundo corre o risco de apagar-se em um mundo de tantos símbolos.

Isso porque o objeto não pode sobrepor-se Àquele que com sua entrega transformou um instrumento de tortura e morte em símbolo de perdão e vida. A visão do Jesus crucificado com certeza não trouxe nenhum sentimento bom para aqueles que tiveram a oportunidade de estar ali. Olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos para que o desejássemos (Isaías 53.2)

Contudo, ali não estava um acidente da história. O que se revelava naquela cruz era o plano de um Deus que amou um mundo decaído a ponto de entregar para salvá-lo o maior objeto do seu amor – Seu Único Filho. A história, marcada pela queda e pela desobediência humana, estava agora sendo marcada para sempre com o sangue do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo (Apocalipse 13.8). Uma humanidade manchada pelo pecado, seria então, na cruz, purificada pelo sangue Daquele que expirava sobre ela.

Um universo decaído e decadente tinha agora fincada em suas entranhas, uma cruz, e sobre ela Aquele que a tudo estava purificando pelo sacrifício de si mesmo. No coração do tempo e do espaço, o coração do Filho sangrava para redimir tempo e espaço.

Aquela cruz, que era sem dúvida “escândalo para judeus e loucura para gregos” (1 Coríntios 1.23) se estabelecia como a realização de um eterno propósito redentor, manifestando ao mundo uma eterna redenção. Era o “poder de Deus e sabedoria de Deus” (1 Coríntios 1.24) tornando-se tangível a toda humanidade.

Só a revelação de Deus pode explicar como um objeto tão feio e hediondo possui tanto poder para atrair pessoas de todos os tipos e pensamentos, levando-os a render-se completamente Àquele Crucificado.

E eu quando for levantado da terra, todos atrairei a mim (João 12.32)

No meio deste universo misterioso existe uma cruz. Bem-aventurados aqueles que já foram purificados e se entregaram plenamente Àquele que nela pereceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *