Insatisfações

Por Eguinaldo Hélio de Souza

Há dois tipos de insatisfação que o nosso coração pode manifestar. Uma é fruto de nossa natureza decaída. A outra é fruto de nossa natureza regenerada.

A insatisfação que nasce da velha natureza é aquela que nunca está contente com nada, apesar das grandes bênçãos de Deus ao nosso redor. Mesmo tendo muito mais do que tínhamos, mesmo estando tudo muito melhor do que estava, continuamos insatisfeitos. Há um vácuo insaciável em nosso ser que nada parece satisfazer.

O resultado é a crítica, a reclamação, a murmuração. Ao invés de gratidão e reconhecimento pelo que Deus tem feito, fala-se constantemente do que Ele ainda não fez. Não há paciência para esperar e considerar todas as coisas boas já recebidas. … tornaram a queixar-se, e diziam: “Ah, se tivéssemos carne para comer! Nós nos lembramos dos peixes que comíamos de graça no Egito, e também dos pepinos, das melancias, dos alhos porós, das cebolas e dos alhos. Mas agora perdemos o apetite; nunca vemos nada, a não ser este maná!” (Números 11.4-6). É a carne desejando a carne.

No entanto, há outro tipo de insatisfação, o tipo de insatisfação que nos leva a desejar mais de Deus, que nos faz querer mais Dele. É uma fome e uma sede para que a vontade de Deus se realize em nós, um anseio por ser mais cheio do Espírito, por vencer as barreiras da carne. Então queremos mais de seu amor, de sua sabedoria, de sua presença.

Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus? (Salmo 42.1. 2)

Esse tipo de insatisfação nos leva para o alto, para frente, nos leva a Deus. Então queremos não nossa vontade, mas a Dele. Ficamos incomodados não com nossas necessidades, mas com nossa falta de obediência, não com o vazio de nosso guarda-roupa e sim com o vazio do nosso coração. Estamos insatisfeitos não com o que Deus não nos deu, mas insatisfeitos com aquilo que não demos a Ele.

Que nosso coração seja libertado da insatisfação da carne e nosso espírito tomado pela insatisfação do Espírito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *